Pular para o conteúdo principal

Trio de arbitragem feminino recebe insígnias FIFA

HONRARIA MÁXIMA
(Márcia Caetano (RO), Rejane Caetano (RJ) e Daiane Caroline (MS) da esq/dir - Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Três representantes da arbitragem feminina no quadro da FIFA receberam as insígnias de 2018 na tarde desta terça-feira (9), na sede da Confederação Brasileira de Futebol, no Rio de Janeiro (RJ). O trio formado pela árbitra Rejane Caetano (RJ), e as assistentes Daiane Caroline Muniz dos Santos (MS) e Márcia Bezerra Lopes Caetano (RO) recebeu os escudos pelas mãos de Fernando Sarney, vice-presidente da CBF. A cerimônia contou com a presença do presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Marcos Marinho, e da coordenadora nacional de Instrução e integrante da Comissão de Arbitragem, Ana Paula de Oliveira. 
O trio recebeu as insígnias anteriormente aos outros árbitros porque viajará em breve para o Sul-Americano Sub-20 Feminino do Equador. A competição será disputada de 13 a 31 deste mês de janeiro. A expectativa delas para o torneio é grande.  
– É uma grande realização. É o sonho de todos que estão no quadro de cada Estado, chegar ao nível máximo da arbitragem, carregar o escudo FIFA e representar o nosso país. Estamos viajando amanhã para o Sul-Americano e a expectativa é muito boa para representarmos bem o Brasil – destacou Rejane, de 31 anos. 
Daiane vai integrar o quadro da FIFA pela primeira vez. No mesmo momento em que recebeu esta notícia, foi convocada para o Sul-Americano Sub-20. Aos 29 anos, a assistente do Mato Grosso do Sul descreve como foi a emoção.  
– A notícia do escudo veio junto com a convocação para o Sul-Americano. Por isso, o preparo já foi iniciado logo no dia seguinte. É um momento indescritível. A gente trabalha tanto, se prepara tanto, e quando surgem essas oportunidades, temos de agarrar – acrescentou. 
Enquanto uma está estreando, Márcia Bezerra Lopes Caetano é integrante do quadro da FIFA desde 2009. Aos 43 anos, a representante de Rondônia, que foi a primeira mulher a passar no teste físico em meio aos homens, afirma que a emoção segue como a de iniciante e transmite conselhos aos mais jovens. 
– O sentimento é que como se fosse a primeira vez. Recebemos todo ano, mas representar um escudo importante como o do Brasil é muito bom. A gente passa aos outros colegas que trabalhem porque a hora vai chegar. É o trabalho de um ano inteiro. Trabalhar para ser reconhecido e ter uma oportunidade na competição internacional. Estaremos lá e vamos representar o Brasil com muito orgulho – finalizou.
Fonte/Texto: Assessoria-CBF

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Atacante Gabriel Henrique está de partida do SC Genus

Virada do ano já começa bem movimentado pelo lado do time Aurigrená da Capital. Primeiro a polêmica das camisas para 2018, com dois escudos: Genus/Avaí, e hoje(2/jan) a desistência do ótimo atacante Gabriel Henrique, 21 anos, que recebeu uma proposta muito boa de Alagoas.
O novo time de Gabriel chama-se Santa Rita, é da cidade de Boca da Mata e fundado em 25/05/1974. O atleta estava com pré-contrato com SC Genus, para o ano de 2018. (Gabriel Henrique está saindo do Genus - foto: Fanpage do Clube)

Guajará fez Gato e Sapato do Urso

Falta de aviso não foi. Deixar tudo para a última hora, deu no que deu. Agora é juntar os cacos e tentar pontuar fora de casa. O jogo em si não foi um espetáculo por parte do Guajará, o time do Tinho Damasceno tem alguns atletas interessantes, que jogam juntos há algum tempo - não falo no Guajará, mas que ele Tinho trouxe sempre em dupla - por exemplo os dois meias Bibio e Tatico, os atacantes Marcos Bahia e Jaiminho, a zaga com Diego Norberto - seguro, pra passar por ele tem que ter moral.
Sabe qual tinha sido a última vitória do Guajará no estadual? Justamente no dia 1º de abril do ano passado, quando venceu ao Galo da BR por 3 a 1 lá no João Saldanha - e não é que seja o dia consagrado à mentira - pois não é que o Glorioso, quase um ano depois faz 3 a 1 no Genus e no velho Aluizão.
Antes dos primeiros 2 minutos de jogo Marcos Bahia recebeu em profundidade de Bibio, passou pelo meio da zaga do Genus derivando para o lado direito, chutou com força rasteiro no canto direito do goleiro G…

Projeto FFER Social em 10 dias trabalhou 20 cidades de Rondônia

Recebo relatório do encarregado do Projeto FFER Social Luciano Almeida, e repasso aos leitores/ouvintes. Do dia 05 ao dia 15 de maio, nada menos do que 20 cidades receberam: Luciano Almeida e o observador técnico do CR Flamengo, a fim de selecionar garotos nascidos em 2000 a 2008 para testes finais no famoso clube rubro-negro.
Total de atletas observados: em torno de 1200
Total de cidades: 20 - Ariquemes, Jaru, Tarilândia, Ji-Paraná, Cacoal, Vilhena, Alta Floresta do Oeste, São Francisco do Guaporé, Seringueiras, Alto Alegre do Parecis, Costa Marques, Espigão do Oeste, Ministro Andreazza, Rio Crespo, Montenegro, Itapuã do Oeste, Porto Velho, Distrito de Jacy-Paraná e as cidades de Rondolândia(MT) e Humaitá(AM).
Atletas selecionados para ir até o Mengão, foram 18. (Clique na imagem para ampliar)